sábado, 11 de agosto de 2012

SS Leviathan:A historia da United States Line

Olá sejam muito Bem vindos!!
Hoje é a ultima postagem do blog antes dele entrar em uma pequena reforma nos seus Scripts e visual por causa de uns problemas que andamos tento ultimamente com copias de nossas postagens Enfim...Bom,hoje vamos postar algo diferente em Relação a White Star Line e Cunard Line,hoje postaremos sobre um navio que garanto que quase ninguém conhece esse é o SS Leviathan um navio comercial que teve o mesmo fim do Olympic e Mauretania.Bom vamos conhece-lo um pouco.


                  Desejo uma Boa Leitura!

DADOS TÉCNICOS:


Nome: SS Leviathan
Proprietário: United States Line
Porto de registo: Nova Iork/Estados Unidos
Adquirido no dia: 29 de outubro de 1919
Em serviço: jun 1923 a 1933, alguns serviços em 1934
Fora de serviço: 1933-1937
Destino: Vendido para demolição e dividido em 2 no dia 06 de junho de 1938

Historia



SS Leviathan, originalmente construído como SS Vaterland, era um transatlântico que navegou regularmente no Atlântico Norte brevemente em 1914 e 1917-1934. O segundo de um trio de transatlânticos construídos pela Linha de navegaçao da Alemanha (América Hamburgo) para o serviço de passageiros transatlânticos.Ele navegou como Vaterland por menos de um ano antes de seu início de carreira foi interrompida pelo início da Primeira Guerra Mundial. Em 1917, ele foi apreendido pelo governo dos EUA e Leviathan renomeado. Ela viria a ser conhecido por este nome para a maior parte de sua carreira, tanto como de tropas durante a Primeira Guerra Mundial e mais tarde como o carro-chefe do United States Line.
O Imperador William e o príncipe Rupprecht estava a caminho para realizar as cerimônias de batismo.


(na foto ao lado o imperador William e o Principe Rupprecht na cerimonia de batismo)

Serviço alemão

O SS Vaterland, um navio de passageiros de 54.282 toneladas brutas, foi construído por Blohm & Voss em Hamburgo, na Alemanha, como o segundo de um trio de navios muito grandes da classe Imperator para a rota da linha América 



Hamburgo. Ele foi lançado no dia  13 de abril de 1913 e foi o maior navio de passageiros do mundo em cima de sua conclusão, substituindo o SS Imperator, mas mais tarde sendo substituído por sua vez, pelo último navio desta classe, SS Bismarck, mais tarde RMS Majestic.

Vaterland tinha feito apenas algumas viagens quando, no final de julho de 1914, ele chegou a Nova York, NY, assim como a I Guerra Mundial eclodiu. Com um retorno seguro para a Alemanha tornado virtualmente impossível do domínio britânico dos mares, ele foi colocado para o terminal de Hoboken, Nova Jersey, e permaneceu imóvel por quase três anos.              
I Guerra Mundial.

 O USS  Leviatã como foi renomeado teve seu novo padrão de camuflagem assim como os outros navios da época incluindo o (Olympic,Britannic,Mauretania e Lusitânia).seu novo codinome era
The Ritz-Carlton Leviathan.

Ele foi apreendido pelo Conselho do Estados Unidos, quando os Estados Unidos entraram na Primeira Guerra Mundial no dia 06 de abril de 1917; entregue à custódia da Marinha dos EUA em junho de 1917, e encomendou em julho de 1917 como o USS Vaterland, o Capitão Joseph Wallace Omã no comando.Uma placa com seu novo numero de guerra era SP-1326 e renomeado Leviathan pelo presidente Woodrow Wilson em 6 de setembro de 1917.

O cruzeiro fez testes para Cuba em 17 de novembro de 1917, solicitado o Capitão Omã encomendar 241 fuzileiros navais, a bordo para aliviar um destacamento de fuzileiros, a estação estava visivelmente sobre as plataformas superiores, dando a aparência da costa que o grande navio estava indo para o exterior para aumentar as forças Americanas. Após o seu regresso no final do mês que, relatou para o dever com o Cruiser e da Força de Transporte. Em dezembro ele levou tropas para Liverpool, na Inglaterra, mas os reparos atrasou seu retorno para os EUA até meados de Fevereiro de 1918. A segunda viagem a Liverpool foi em março seguido por mais reparos. Naquela época, ele foi pintado com as cores da Grã-Bretanha tipo de esquema de camuflagem "deslumbramento" que ele levou para o resto da guerra. Com a conclusão dessa obra, Leviathan, começou suas passagens regulares entre os EUA e Brest, França, fornecendo até 14.000 pessoas em cada viagem, transportando mais de 119.000 homens de combate, antes do armistício de 11 de novembro de 1918.

Depois que o Leviathan foi repintado de cinza até dezembro de 1918, inverteu o fluxo de homens com ele transportou os veteranos de volta aos Estados Unidos, com nove cruzamentos oeste terminou em 8 de setembro de 1919. Em 29 de outubro de 1919, USS Leviathan foi desativado e entregue ao Conselho de Transporte dos EUA e novamente colocou-se em Hoboken até planos para seu futuro emprego ser determinado.


(USS leviathan após a 1 guerra mundial,ele foi dos poucos navios que voltou inteiro para casa)

                                                     Serviço Americano






Em 17 de dezembro de 1919, a Marinha Mercante Internacional assinou um acordo para manter a sua aquisição destina até uma decisão final poderia ser feita. O Gibbs Brothers Inc. foi contratado para levantar a embarcação e seu potencial econômico de cada aspecto quando o  magnata William Randolph Hearst opôs a compra, alegando a influência britânica sobre IMM, andando sobre o sentimento nacionalista para impedir o negócio. 

Os irmãos Gibbs foram autorizados a continuar pelo Conselho mesmo que o negócio caiu completamente, a sua primeira grande tarefa é a criação de um novo conjunto de projetos. Nenhum tinha sido forçado da Alemanha pelo Tratado de Versalhes e o preço foi considerado ultrajante, em vez de um exército de trabalhadores medidos todas as partes do navio até que um novo conjunto de impressões havia sido feita.

Com o navio parado no cais até abril de 1922, uma decisão finalmente foi feita e os US $ 8.000.000 em recursos alocados para navegar o Leviathan para Newport News Shipbuilding & Company Dry Dock, em Newport News, Virgínia, para ele 14 meses de recondicionamento e renovação. Com a Guerra e idade significava que toda a fiação, encanamento e layouts internos foram retirados e redesenhado, enquanto seu casco foi reforçado e os motores convertidos para o óleo enquanto está a ser remodelado,. praticamente um navio novo surgiu.

As decorações e acessórios, desenhados por arquitetos de Nova York Walker & Gillette, mantém muito do seu esplendor de antes da guerra Edwardiana, georgiano, estilos Luís XVI se fundiu com modernos toques de 1920. O maior desafio foi uma reforma no Deck de Botes e o  Cafe varanda. E em junho de 1923 ele foi devolvida ao Conselho de envio.
Sua tonelagem havia  aumentado para 59,956.65 TAB e sua velocidade mostrou uma média de 27.48 nós. Graças  à contabilidade inteligente Gibbs e a corrente do Golfo, ele havia se tornado o maior e mais rápido navio do mundo.


Por esta altura a United States Line, que tinha interesse no I.M.M, tinham sido vendidos e contratualmente obrigada a executar o Leviathan para um mínimo de 5 viagens de retorno no longo do Atlântico por ano. O  Gibbs Brothers Inc iria correr-lhe a suas primeiras viagens e treinar a equipe até que a posse oficialmente mudou de mãos.Ele imediatamente provou ser popular com o público americano nos anos 20, começando sua carreira totalmente reservado para a sua viagem inaugural, 04 de julho de 1923.Sua média de passageiros atingiu  1.300 em 1926 e tornando-o o 1 navio a viajar novamente  sobre o Atlântico, mas em comparação com sua capacidade de 3.000 era muito pouco para ser rentável.


Seus problemas econômicos leigos principalmente no trabalho de alta e os custos de combustível, que foram agravados pela proibição. A partir de 1920 todos os navios norte-americanos registrados contado como uma extensão do território dos EUA, tornando-os "navios secas" de acordo com a Lei Nacional de Proibição. Com a capacidade do Atlântico supersaturadas, especialmente após a Lei de Imigração de 1924.Mas o Leviathan era um símbolo americano de poder e prestígio, que apesar de seus fracassos econômicos, fez dele um navio popular, com fiel viajantes. Ele atraiu a atenção sendo o maior e mais rápido navio na marinha mercante americana e destaque em anúncios incontáveis. O único incidente grave ocorreu em um dia, em Cherbourg em um inverno de 1924, onde conheceu uma violenta tempestade com ondas de 90 pés e ventos de até 100 mph, às vezes forçando-a a um salto de 20 graus. Onze vigias foram destruídos e 32 passageiros feridos no momento em que a tempestade amainou.

A Orquestra do navio, sob a direção de Nelson Maples, também era bem visto. Discos de gramofone foram produzidos em 1923 e 1924 pela gravadora Victor , que mais tarde se tornaria a inspiração para o Novo Leviathan.


O fim do Gigante do atlântico

Mas em 1927 os "Bons anos" haviam terminado, durante o qual as antigas companias dos Estados Unidos tinham sido vendidos e re-nacionalizada. Em 1929 o Leviathan foi finalmente autorizado a servir "de álcool medicinal" fora das águas territoriais dos Estados Unidos para torná-la mais competitiva, com linhas externas e foi rapidamente enviado em Cruzeiros Booze para ganhar dinheiro.Ele foi colocado para o cais em Hoboken, New Jersey, em junho de 1933, tendo perdido US $ 75.000 por ida e volta desde 1929.

As Linhas norte-americanas haviam sido adquiridas em leilão por I.M.M. em 1931, que eram tão ansiosos para se livrarem de seus antigos navios. O governo estipulou que firmemente o Leviathan iria navegar novamente, e assim  foi feita uma nova  remodelação de 150.000 dólares, por mais cinco idas e voltas. A primeira viagem redonda partiu em 9 de junho de 1934, a alta temporada no Atlântico, e registrou uma perda de US $ 143.000. Por viagem o Leviathan navegou na capacidade de pouco mais de metade. O I.M.M. pago o governo dos EUA US $ 500.000 para a permissão de aposentar o transatlântico, mantendo-o em ordem de marcha até 1936.

Em 1937 ele foi finalmente vendido aos ingleses da Metal Industries Ltd. Em 26 de janeiro de 1938 o Leviathan partiu em sua viagem 301 e última, chegando a Rosyth, Escócia,em 14 de fevereiro. Nos 21 anos de serviço, ele serviu as Linhas dos EUA realizados mais de um quarto de milhão de passageiros, nunca fazendo um centavo.


Historia paralela:Leviathan o monstro dos mares

O Leviatã é uma criatura mitológica, geralmente de grandes proporções, bastante comum no imaginário dos navegantes europeus da Idade Moderna. Há referências, contudo, ao longo de toda a história, sendo um caso recente o do Monstro de Lago Ness.
20000 squid holding sailor.jpg


No Antigo Testamento, a imagem do 'Leviatã é retratada pela primeira vez no Livro de Jó, capítulo 41. Sua descrição na referida passagem é breve. Foi considerado pela Igreja Católica durante a Idade Média, como o demônio representante do quinto pecado, a Inveja, também sendo tratado com um dos sete príncipes infernais. Uma nota explicativa revela uma primeira definição: "monstro que se representa sob a forma de crocodilo, segundo a mitologia fenícia" (Velho Testamento, 1957: 614). Não se deve perder de vista que nas diversas descrições no Antigo Testamento ele é caracterizado sob diferentes formas, uma vez que funde-se com outros animais. Formas como a de dragão marinho, serpente e polvo (semelhante ao Krakken) também são bastante comuns.


Perante a igreja





O Livro de Jó, capítulos 40 e 41, aponta a imagem mais impressionante do Leviatã, descrevendo-o como o maior (ou o mais poderoso) dos monstros aquáticos. No diálogo entre Deus e Jó, o primeiro procede a uma série de indagações que revelam as características do monstro, tais como "ninguém é bastante ousado para provocá-lo; quem o resistiria face a face? Quem pôde afrontá-lo e sair com vida debaixo de toda a extensão do céu? ....Quem lhe abriu os dois batentes da goela, em que seus dentes fazem reinar o terror?...... Quando se levanta, tremem as ondas do mar, as vagas do mar se afastam. Se uma espada o toca, ela não resiste, nem a lança, nem a azagaia, nem o dardo. O ferro para ele é palha, o bronze pau podre" (Bíblia Sagrada, 1957: 656). Ao lado do Leviatã, no capítulo 40 do livro de Jó, aparece o Behemoth[9], vigoroso e musculoso animal terrestre, "sua força reside nos rins e seu vigor no músculo do ventre. Levanta sua cauda como (um ramo) de cedro, os nervos de suas coxas são entrelaçados; seus ossos são tubos de bronze, sua estrutura é feita de barras de ferro" (Bíblia Sagrada, 1957: 654). Na bíblia também fala que Deus enviara Behemoth para matar Leviatã. Eles terão uma grande batalha, onde os dois morreriam, mas Behemoth sairia vitorioso por cumprir sua missão.




A Destruição do Leviathan 

gravura de Gustave Doré (1865)

A origem histórico-mitológica de tais animais descritos na Bíblia é uma questão um tanto obscura. Ambos animais têm sido associados a algumas sagas, o leviatã talvez esteja associado ao "Tiamat", uma divindade da saga da Babilônia. O que interessa, no entanto, é não se ater às diferentes opiniões a respeito desses animais que aparecem na Bíblia Hebréia, uma vez que os historiadores e teólogos da Bíblia não os relacionam ao mito político ao qual Hobbes se refere (Schmitt, 1938: 6).

Não obstante diferentes interpretações, o Leviatã aparece na Bíblia sob a forma do maior dos animais aquáticos, como um crocodilo ou então na forma de um enorme peixe, uma baleia. O behemoth, como animal terrestre representado sob a forma de um hipopótamo.

Na União do céu e do inferno, William Blake escreveu:
"Debaixo de nós nada mais se via senão uma tempestade negra, até que, olhando para oriente, entre as nuvens e as vagas, divisamos uma cascata de sangue misturado com fogo, e próximo de nós emergiu e afundou-se de novo o vulto escamoso de uma serpente volumosa. Por fim, a três graus de distância, na direcção do oriente, apareceu sobre as ondas uma crista incendiada: lentamente elevou-se como um recife de ouro, até avistarmos dois globos de fogo carmesim, dos quais o mar se escapa em nuvens de fumo. Vimos então que se tratava da cabeça do Leviatã a sua fronte, tal como a do tigre, era sulcada por listras de verde e púrpura. Em breve vimos a boca e as guelras pendendo sobre a espuma enfurecida, tingindo o negro abismo com raios de sangue, avançando para nós com toda a fúria de uma existência espiritual."
Conforme Jó 41:18-21, muitos também acreditam que o Leviatã pode ter sido um dragão:
18 Cada um dos seus espirros faz resplandecer a luz, e os seus olhos são como as pálpebras da alva. 19 Da sua boca saem tochas; faíscas de fogo saltam dela. 20 Das suas narinas procede fumaça, como de uma panela fervente, ou de uma grande caldeira. 21 O seu hálito faz incender os carvões; e da sua boca sai fogo escarlate.
A descrição no Livro Bíblico de Jó é hiperbólica. Sendo este livro narrado de forma poética deve-se ponderar a interpretação literal dos termos.

 

Leviatã na cultura popular

Leviatã também diz respeito a obra do cientista político e jusnaturalista Thomas Hobbes (Malmesbury, 5 de abril de 1588

Hardwick Hall, 4 de dezembro de 1679). Em sua obra, Hobbes afirmava que a "guerra de todos contra todos" (Bellum omnium contra omnes) que caracteriza o então "estado de natureza" só poderia ser superada por um governo central e autoritário. O governo central seria uma espécie de monstro - o Leviatã - que concentraria todo o poder em torno de si, e ordenando todas as decisões da sociedade.

       


Créditos Finais

Diogo Santos:Imagens,texto
Samantha Silva:Tradução
Kethie Silva:Links e publicação
Fonte final:Wikipedia



Comunicado importante!

O Blog passara por uma pequena mudança nesses próximos meses.Eu Diogo Santos juntamente com Samantha Silva e Larissa Ducatto estaremos trabalhando no projeto lançado por nos que se chama Titanic FULL MOVIE (Titanic filme completo),esse projeto foi lançado a pouco na nossa pagina no Facebook e se trata de reunir o filme Titanic de 1997 com todas suas cenas deletadas,passando por esse processo o filme ficará com aproximadamente 4 horas de duração.Bom Galera por enquanto eu passo o Comando do blog para Kethie Silva e Larissa Ducatto.Até Breve!





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Facebook

LEITORES CONECTADOS